quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Por que estragar tudo com uma ligação?

video

CUIDADO! Crise econômica aumenta risco de infarto

A taxa de óbitos por infarto quando a desvalorização no período de 55 dias foi superior a 20% foi de 12,06 por dia, um valor 36,4% maior do que as taxas encontradas em períodos de calmaria nos mercados (8,8 por dia). A pesquisa foi apresentada no último Congresso Brasileiro de Cardiologia.

"Quando estudamos a mesma taxa entre a população com educação superior, o aumento chegou a 46,7%, indicando que as classes altas são ainda mais afetadas do que a média da população. Ainda que não tenham investimentos na bolsa e não acompanhem as oscilações de perto, as classes mais baixas também sentem o impacto da desvalorização no seu dia-a-dia, no cotidiano da empresa em que trabalham" - explica Mansur, que é membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Leia a matéria na íntegra
A crise tende a aumentar o protecionismo em relação ao IDE. A tendência é que os governos protejam as “campeãs” nacionais, evitando que elas passem para mãos de estrangeiros. Na França, há um fundo para ajudar as empresas com dificuldades e outros países devem seguir o mesmo caminho.

Para o diretor executivo do Vale Columbia, Karl Sauvant, acredit que em 2009 os investimentos cairão em todas as regiões, embora não espere uma reversão na tendência a um protagonismo crescente das empresas de países emergentes no mercado global de IDE.

O IDE para o Brasil cresceu 83,7% em 2007 sobre 2006, passandro a US$ 34,6 bilhões, taxa quase três vezes superior ao crescimento dos investimentos no mundo. Segundo o World Investments Propects Survey 2008-2010, o Brasil é a 5ª economia mais atrativa para IDE, depois da China, Índia, EUA e Rússia.

Uma das interrogações que a crise provoca é qual será o comportamento dos investimentos mundiais em relação à Ásia, que atriu em 2007 US$ 320 bilhões de um total de US$ 500 bilhões de IDE destinados aos emergentes.

VAIDADE MASCULINA


As vendas de produtos cosméticos e serviços de estética voltados para o público masculino cresceram como nunca em 2008. Marcas tradicionais do mercado feminino registraram aumento nas vendas de produtos feito para os homens, tanto no Brasil quanto no exterior. Na Hypermarcas, dona da Niasi, as vendas do esmalte incolor “Risque Homem” cresceram 70%, enquanto que a linha Vichy Homme, do laboratório francês Vichy, já representa 7% das vendas totais da marca na França. Olinda Higa, gerente do salão de beleza Tampopo, garante que em breve os homens já serão metade da clientela. Os salões já disponibilizam serviços específicos, como o reflexo invertido para aqueles que estão ficando grisalhos.

A previsão para 2009 é de mais crescimento. Henrick Sark, diretor da divisão cosmética ativa da L´Oréal, espera dobras as vendas e explica que o interesse do consumidor masculino por cosméticos tem crescido para agradar as mulheres e para melhorar a aparência. O fato se confirma na pesquisa do laboratório Vichy, onde 600 dermatologistas afirmam que 30% dos pacientes são homens. E para quem ainda tem um pé atrás de ir a um salão de beleza, o cabeleireiro Wanderley Nunes criou no Studio W, em São Paulo, uma sala reservada onde os homens não são vistos. Há três anos, o Brasil era o sétimo mercado mundial e hoje fica atrás apenas de Estados Unidos e Japão. Clélia Ângelo, presidente da Surya Brasil, dá o recado: “Nenhuma empresa do setor pode deixar esse público de lado”.

O Barulho da Carroça!

Certa manhã, meu pai, muito sábio, convidou-me a dar um passeio no bosque.

Ele se deteve numa clareira e depois de um pequeno silêncio me perguntou:

- Além do cantar dos pássaros, você está ouvindo mais alguma coisa?
Apurei os ouvidos alguns segundos e respondi:
- Estou ouvindo um barulho de carroça.
- Isso mesmo, disse meu pai, é uma carroça vazia...

Perguntei ao meu pai:
- Como pode saber que a carroça está vazia, se ainda não a vimos?
- Ora, respondeu meu pai, é muito fácil saber que uma carroça está vazia
por causa do barulho. Quanto mais vazia a carroça maior é o barulho que
faz!

Tornei-me adulto, e até hoje, quando vejo uma pessoa falando demais,
gritando (no sentido de intimidar), tratando o próximo com grossura
inoportuna, prepotência, interrompendo a conversa de todo mundo e
querendo demonstrar que é a dona da razão e da verdade absoluta,
tenho a impressão de ouvir o meu pai dizendo:
... Quanto mais vazia a carroça, mais barulho ela faz!

*Enviado por Ana Maria Fasanella